Ir para o conteúdo

  • cronicas

Bidu Primeiro e Único.

Bidu Primeiro e Único.

Como já “disse” em diversas das minhas crônicas, o cãozinho Bidu foi meu primeiro personagem de história em quadrinhos.

Junto dele veio o Franjinha. Mas, pra mim, cachorrinho é sempre personagem principal. Dono de cachorro, com o devido respeito, é coadjuvante.

Mas como todo cachorro assume um dono, que venha o Franjinha, também, como um dos primeiros personagens.

Seguido do Cebolinha, ainda muito cabeludinho e meio enfezado.

E essa turminha, nesta semana, voltou com toda a força aos meus olhos e às minhas lembranças.

Graças a antigas revistas que me chegaram às mãos, presenteadas por um amigo gaúcho — o desenhista Lancast.

Foram as primeiras revistas que desenhei. Mas não tinha nenhuma em meu poder.

Elas deixaram de circular há bem uns 40 anos.

Duraram uns 5 ou 6 números, apenas. Não me lembro bem.

Só me lembro que foram lançadas lá pelo ano de l960, pela editora Continental, da rua da Mooca.

Seus diretores — Miguel Penteado e Jayme Cortez — me convenceram de que eu poderia escrever e desenhar uma revista de 32 páginas todo mês e ganhar um bom dinheiro com isso.

Nesse tempo eu ainda era repórter policial e trabalhava até tarde na redação da Folha.

Mas o entusiasmo pela possibilidade de lançar uma revista só com meus personagens era maior do que o tempo físico de que eu dispunha.

E passei a desenhar varando as noites. Dormindo muito pouco. E enfrentando os plantões das delegacias, no dia seguinte, “cambeteando” de sono.

Pra ganhar algo em torno de um salário mínimo (da ocasião).

Escrevia as histórias, desenhava a lápis, fazia a arte-final em nanquim, requadrava e mandava para a editora. Só as letras eram “desenhadas” na redação, já que isso eu não agüentaria fazer.

Logicamente não consegui produzir mais do que uns 4 ou 5 números.

A editora, tentando me animar e dar mais tempo, repetiu histórias num último número. Mas ficou nisso.

A revista seguinte viria somente 10 anos depois — foi a Mônica — mas daí eu já contava com o auxílio de uma boa equipe.

Estou relendo as histórias, revivendo emoções e estudando como era a cabeça do Mauricio de quarenta anos atrás.

É uma volta no tempo, uma viagem divertida, cheia de redescobertas.

Que quero dividir com vocês num projeto editorial que pretendo apresentar à minha editora atual — a Globo.

Vou sugerir uma reedição dessas velhas histórias, talvez num único álbum. Para começar a contar a história das minhas histórias.

Depois vou buscar as tiras antigas, impressas e arquivadas nos velhos exemplares da Folha de S. Paulo. Depois vou ainda tentar descobrir onde andam os arquivos dos
jornais Diário de São Paulo e Diário da Noite, que também publicavam tiras.

Tenho muitos originais guardados. Mas um ou outro se perdeu pelo tempo, os arquivos dos jornais podem me ajudar a resgatar o resto desta minha viagem pelos meus próprios quadrinhos.

Recordar é viver.

Principalmente, quando se pode recordar… e continuar realizando.

Como eu gosto de fazer.

Será um prazer!

Mauricio de Sousa
18.05.2001

Comentários

Outras Crônicas

MAGALI VAI COMER MELHOR!

Estou escrevendo, pra vocês, de Brasília. Vim participar de um simpósio sobre a epidemia da obesidade, que ameaça nossa população. Assim, este texto deixa de ser uma crônica e passa para a categoria de reportagem. [...]

MOURICINHO.

Foi durante o último verão, lá no Cabo de Santo Agostinho, em Pernambuco. Eu e os filhos explorávamos terras, águas e ar sob um sol e um clima deliciosos. Até que decidimos ir ver de [...]

POR QUE A MÔNICA NÃO TEM SAPATOS?

Porque eu não tinha tempo para desenhá-los. Uma pergunta direta, uma explicação verdadeira e poderíamos terminar por aqui. Mas ainda sobrariam algumas dúvidas que acho bom tentar esclarecer, em homenagem e respeito aos leitores. Lá [...]